a campanha incrível de lingerie da lonely com uma modelo de 57 anos

fota

Se você é mulher vai entender exatamente o panorama que vou traçar antes de falar das fotos maravilhosas de campanha que a marca de lingerie neozelandesa LONELY fez com a modelo Mercy Brewer esbanjando sensualidade e segurança no auge dos seus 57 anos.

Quando um homem envelhece os status de poder e conquistas são ativados, em contrapartida quando as mulheres cruzam a linha tênue que separa a fase de procriação da maturidade são massacradas por ideais machistas e opressores que celebram o charme de um cabelo grisalho no homem, mas o enxerga como desleixo na cabeça de cada uma de nós, nos reduzindo entre vários outros fatores ainda mais importantes, a um produto prestes a vencer na gôndola desse supermercado imaginário que é a vida, afinal, passamos do ponto em diversos sentidos. E esse é apenas um dos pilares dessa questão que ainda voltaremos a debater aqui com calma.

Existe uma supremacia jovem e do culto ao corpo há décadas sendo celebrada pela moda, publicidade e a comunicação onde os ideias inalcançáveis de beleza são vendidos como fórmula mágica da felicidade e um dos reflexos disso tudo, é o Brasil sempre a frente como um dos líderes do ranking mundial de cirurgias plásticas.

Para reforçar esses preceitos, sabemos que não é de hoje que mulheres são privadas da sua sexualidade e do conhecimento do seu próprio corpo como se nossa existência fosse apenas para servir a um ideal sagrado de procriação e o prazer, o desejo fossem profanos, sujos e impróprios.

Campanhas como essa, assim como a da American Apparel com Jacky O’Shaughnessy fotografada aos 62 anos apenas de lingerie, ajudam a fortalecer um discurso empoderador mostrando que não existe idade para se sentir sexy, cheia de vida e se apropriar do sempre foi nosso: nosso corpo.

ad_238068541-699x1024
ad_238068849-699x1024
2 Comentários

Você pode gostar também

2 Comentários

  1. Cada vez mais quem “ficou nas sombras” está tendo seu espaço e em vez de acharmos um absurdo temos que começar a ver como coisas normais. Não da mais para ter preconceito em pleno 2017. Eu mudei muito desde que sai da minha bolha e cada dia aprendo algo novo e isso expande a mente. Coisas que antes achava normal, hoje tenho vergonha de imaginar que eu pensava tal absurdo! Parece outra vida!

    1. Ly T. diz:

      Nada melhor que se desconsturir e começar a entender que a pluralidade é uma das maiores fontes de inspiração, uma das mais genuínas e ela começa na gente, Lizzie! <3

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *